logo da Quercus

.Dezembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.subscrever feeds

.etiquetas (tags)

. todas as tags

Conferência de Poznan - 2008
Conferência de Bali - 2007
Conferência de Nairobi - 2006
Videos Clima no Sapo
Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2009

Obama explica acordo negociado pelos EUA em Copenhaga

Perguntas e respostas de Barack Obama há minutos (apontamentos em inglês/em itálico novos dados):

Obama: (...) What we have achieved in Copenhagen will not be the end but rather the beginning of a new era of international action.

Q Can you give more detail on transparency issue? On emission curbs? And what about cutting emissions specifically?

On second question first, the way the agreement is structured, each nation will put concrete commitments into an appendix of the document, with specifics on intentions. Those commitments will be subject to an international consultation and analysis similar to what takes place when WTO is examining progress or lack of progress countries are making on various commitments. It will not be legally binding, but allow each country to show to the world what they are doing, and it will give a sense of how 'we are in this together' and show who is meeting and not meeting their own goals.

For emission targets, we know that they will not be sufficient to get to where they need to get by 2050. That is why I call this a first step. The science dictates that even more needs to be done. The challenge for emerging countries that are in different stages of development, this will be the first time they have voluntarily offered up mitigation targets. That shift in orientation moving was important, perhaps the most significant part of this accord.

(...) Although we will not be legally bound by anything that took place today, we will have reaffirmed our commitment to meet those targets, both because science demands it but also because it offers us enormous economic opportunity down the road.

(inaudiable) If I make a claim that I am reducing emissions because I've changed mileage standards on cars, there will be a process for people to take a look and see if that is in fact the case.

Q You've told leaders they might need to give up somethings to reach an agreement. What have you given up? And since this was so hard, what are the chances of getting something stronger?

I think it will be very hard and will take  some time. The US has been on the sidelines for these negotiations for several years. Essentially you had the Kyoto Protocol calling on developed countries take action on targets, but few if any obligations for developing countries. What has happened since 1992, you have emerging countries like China, India, Brazil that have seen enormous growth and industrialization. Moving forward, it will be necessary for those countries to make some changes as well -- not the same pace or same way, but have to do something.

On the other hand, developing countries say per capita our carbon footprint is very small, so for us to be bound by a set of legal obligations could curtail our ability to develop and  that is not fair. So there is a fundamental deadlock on perspective that were brought to discussions this week, both sides with legit points. My view is if we can agree that developing countries will have some obligations (but not the same as developed) along with finances for countries most vulnerable, then we'll be reorienting ourselves for the future. It will still take more work and confidence building before all types of countries before you'll see another legally binding treaty signed. I am supportive of a binding treaty, but if we just waited for that then we would not make any progress. I think there might be so my cynasism that instead of taking one step forward, we'd take two steps back.

Ultimately this will be dictated by the science, which tells us we'll have to take bolder steps in the future. [references Clean Air Act, how it was affordably implemented]

We are going to need technological breakthroughs to reach the goals we are looking for. In the meantime, we need to emphasize energy efficiency which is already in our grasp.

Q What flexibility on position did US bring?

We did a lot of ground work so our position was clear. The one principle I brought to this is that I'd only commit us to things I think we can really achieve. Our mitigation goals in 2025, etc are comperable to EUs. It would be unrealistic to think we can turn on a dime and create a clean energy economy overnight. Companies and industries are going to want to make changes, some progress but not all have beared fruit yet.

Q Appendix... going forward will that be sufficient or do you think this will continue to be a source of friction between US and China?

For the first time these countries have set significant mitigation targets, and I want to give them create. Many still living in poverty in India. For them to say they'll reduce emissions by X percent is big and we applaud them for that. The verification we'll get from this setup will tell us a lot of what we want to know... we'll also be able to keep track via satellite quite well.

Legally binding is important, but that was not achievable at this conference. Kyoto was legally binding and everyone still fell short anyway.. instead of setting up a bunch of words on a page that aren't met, we should instead take as aggressive steps as we can, strive for more binding agreements over time, and keep moving forward. That is the main goal I tried to pursue today.

As people step back, a lot will say 'science will say you have to do xyz' but we don't have international enforcement. In terms of future obligations, the most important thing we can do at this point, I think, is build trust between deving and deved countries to keep people from looking back and instead everyone recognize that we all need to move forward together.

This is going to be hard, both within countries and even harder between countries. One of the things I felt strongly about this year was that hard stuff requires not paralyzes but making the best of a situation.

Thanks, we'll see some of you on the plane.

Q (inaudible)

We've got our negotiators here. I don't think I'll be the only leader leaving before the agreement is signed. Technically there is not a 'signature' required, I don't know the protocols. But this is a commitment that the United States is making.

 

[ACT.] Transcrição oficial integral disponível aqui [novo link].

etiquetas (tags): ,
publicado por climáticas às 22:07
link do post | comentar | favorito
|

Líderes reunidos na COP15

Veja aqui a cerimónia integral de líderes desta tarde, com intervenções de Lars Rasmussen, Ban Ki-Moon, Lula da Silva, Barack Obama, Evo Morales e outros.

 

Discurso do presidente brasileiro:

etiquetas (tags): ,
publicado por climáticas às 20:30
link do post | comentar | favorito
|

Tudo mal parado, ou talvez não… (Copenhaga, 18Dez, 19h)

 

O centro de computadores está cheio. Responde-se às mensagens que estavam atrasadas, enviam-se mensagens por SMS ou correio electrónico aos negociadores que acreditamos têm influência no processo, vê alguns negociadores e perguntamos as novidades, por vezes o programa de correio electrónico alerta-nos para uma última mensagem com detalhes da proposta que os Primeiros-Ministros ou Presidentes estão a analisar. E cada decisão é um processo demorado… Na União Europeia, como noutros grupos, é preciso convocar os colegas para uma reunião, para ver o que é ou não aceitável no texto (suposta declaração ou acordo – mesmo que a realidade nos cheire que esteja bem longe disso), para descobrir uma forma de desembrulhar uma embrulhada (o pleonasmo é propositado) com dois anos e muitas semanas de revitalização da economia local de sítios como Bona, Banguecoque e Barcelona e agora Copenhaga.
 
O homem das maçãs, que agora também comercializa também bananas (com maior sucesso, diga-se), passeia a sua bicicleta por entre a multidão que passa nos corredores também percorridos por um ou outro ministro.
 
E é assim, a correr contra a desilusão que já parece anunciada, porque mesmo que surja a qualquer momento (e a perspectiva é que o trabalho se estenda para sábado) a suposta declaração, se não mudar muito, é um mau momento para o clima: metas e redução para os países desenvolvidos que não asseguram um aumento inferior a 2 ºC, um texto que não é vinculativo e que não se prevê facilmente que venha a ser, o remeter para mais negociações que podem nem finalizar em 2010, quando o Protocolo de Quioto termina em 2012 e o clima exige acção.
 
Pela manhã, o discurso de Lula da Silva foi inspirador, incisivo e uma verdadeira lição para os países desenvolvidos ao oferecer uma redução unilateral das suas emissões poluentes e a colaborar com financiamento aos países menos desenvolvidos.  Um contraste com os discursos mornos.
 
O frio de lá de fora é bem real cá dentro… mas quem espera, talvez sempre alcance… e Lula da Silva falava na esperança de um milagre… e realmente há um novo texto cujo conteúdo vamos agora tentar perceber. No Plenário, alguns assuntos mais burocráticos estão entretanto a ser adiantados.
 
 
Francisco Ferreira, em Copenhaga

 

etiquetas (tags): , ,
publicado por climáticas às 16:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

[entre brackets]

 

É assim que aparecem as frases não fechadas dos textos para discussão no segmento ministerial. A [não] aprovação depende deles. E o [não] sucesso de Copenhaga também.
 
Por exemplo, no texto do grupo de trabalho de Visão Partilhada, que já circula nos corredores e [não] era suposto, existem frases como:
 

Parties should collectively reduce global emissions by at least [50][85][95] per cent from 1990 levels by 2050.

etiquetas (tags):
publicado por climáticas às 14:06
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Oh não, o nuclear de novo não!

Ontem, os negociadores presentes na Cimeira de Copenhaga receberam 50 mil postais enviados dos quatro cantos do mundo, apelando à concentração de esforços para um Acordo climático ambicioso e que exclua a energia nuclear. Esta iniciativa pretendeu alertar para as tentativas subtis, por parte dos grupos de interesses, em incluir a energia nuclear no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (CDM, na sigla em inglês), criado no quadro do Protocolo de Quioto.

 

Esses grupos de pressão têm sido eficazes. Os Acordos de Marraquexe, que excluíram a energia nuclear dos mecanismos flexíveis no quadro do Protocolo de Quioto, são agora complementados por outras opções. Em resultado, o nuclear seria só proibido no próximo período de compromisso ou poderia mesmo tornar-se elegível para os períodos subsequentes, a começar do ano passado!

 

As Organizações Não Governamentais reiteram que a energia nuclear não é nem limpa nem benéfica para o clima, para além de não ser também uma fonte energética rentável. Apelamos assim aos Chefes de Estado que se abstenham de desviar dinheiro das soluções reais, como as energias renováveis, para o nuclear! A meta aqui é o desenvolvimento sustentável e não projectos perigosos que impliquem investimentos de grande envergadura.

 

Na primeira foto, o lider do movimento antiglobalização e membro do Parlamento Europeu, Jose Bove, assina o cartaz na acção de entrega dos postais "Don't Nuke the Climate", que decorreu no Bella Center.

 

etiquetas (tags): , , ,
publicado por climáticas às 12:44
link do post | comentar | favorito
|

Discurso de Obama online

Discurso do Presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama, já está disponível aqui, em texto.

 

etiquetas (tags): , ,
publicado por climáticas às 12:11
link do post | comentar | favorito
|

A sessão plenária mais aguardada

 


Os delegados espalham-se junto às televisões para ouvir os discursos dos chefes de Governo, na sessão plenária informal. O mais aguardado era sem dúvida o de Obama. Mas o mais aplaudido (até agora) foi o de Lula da Silva.  (a sessão continua…)
 

etiquetas (tags): ,
publicado por climáticas às 11:53
link do post | comentar | favorito
|

Have a nice day

Com o café servido (a dois euros) na Cimeira são oferecidos quadradinhos de chocolate de comércio justo. O cestinho tem um pequeno cartão a desejar Um Dia Bom.

 

É o que todos desejamos neste último dia oficial da COP15, a cimeira do clima mais importante dos últimos anos.

 

etiquetas (tags):
publicado por climáticas às 11:02
link do post | comentar | favorito
|

Quercus em directo da COP15 na RTP

etiquetas (tags): ,
publicado por climáticas às 10:20
link do post | comentar | favorito
|

O Bella Center está vazio

 

O centro de exposições Bella Center onde decorrer a Cimeira de Copenhaga (COP15) está "às moscas". A sociedade civil ficou lá fora. Organizações não governamentais de ambiente, de desenvolvimento, mas também empresas e indústrias. Ficaram todas lá fora. Para cá dentro haver espaço para os chefes de Estado e a segurança que trazem com eles. Foi a sociedade civil que os chamou. Esperamos que valha a pena termos cedido o lugar. É o nosso sacrifício final.
etiquetas (tags): , ,
publicado por climáticas às 08:16
link do post | comentar | favorito
|

Os Estados Unidos tomam medidas. Ao nível estadual…

Os Estados Unidos da América (EUA) estão prestes a alcançar significantes reduções nas suas emissões de gases com efeito de estufa graças às políticas energéticas e de combate às alterações climáticas livres de carbono adoptadas pelos governos estaduais. Um relatório recente da organização ambiental “Environment America” estima que tais políticas contribuam para que os EUA reduzam as suas emissões em aproximadamente 536 milhões de toneladas de CO2 eq por ano até 2020, em comparação com a tendência actual. Tratam-se de reduções significativas, maiores do que o emitido actualmente por oito nações mundiais e correspondentes a cerca de 7% do total emitido pelos EUA em 2007.

 
Não há dúvidas de que o Congresso norte-americano deve aprovar um fundo climático generoso e trabalhar arduamente num Acordo internacional justo, ambicioso e vinculativo, capaz de travar as alterações climáticas. Os estudos científicos mostram que décadas de acção a nível estadual contribuíram apenas com o sinal para as muito maiores reduções que, segundo a ciência, são necessárias para prevenir as piores consequências do aquecimento global.
Ao implementarem políticas energéticas e de combate às alterações climáticas – incluindo tectos de emissões, normas para a electricidade renovável, eficiência energética e uma indústria automóvel mais limpa – os Estados mostram que os EUA estão prontos para enfrentar o desafio do aquecimento global.
 
Arnold Schwarzenegger, governador do Estado da Califórnia, tem mostrado liderança na promoção de políticas energéticas livres de carbono subnacionais. Um exemplo abordado, aliás, pelo próprio aquando da sua intervenção, esta semana, em Copenhaga: “O aquecimento global é um problema global que requer uma solução global e a Califórnia é a prova de que os governos subnacionais podem fazer diferença”. Schwarzenegger anunciou ainda uma nova parceria regional entre governos subnacionais para cooperação em acções de combate ao aquecimento global.
 
Segundo o Senador John Kerry, que discursou ontem em Copenhaga, 33 dos 50 estados norte-americanos concordaram voluntariamente em fazer parte de acordos de redução de emissões. Em resultado disso, mais de metade da economia norte-americana começou já a preparar-se para a implementação de políticas obrigatórias de redução de emissões. Além disso, três regiões têm vindo já a criar sistemas de comércio de emissões.
 

Esta mensagem está a ser repetida em Copenhaga por outros governadores norte-americanos. Apesar dos estados não estarem à espera de uma acção a nível nacional ou internacional, um Acordo em Copenhaga mantém-se absolutamente crucial para assegurar que podemos proteger o nosso planeta e os povos mais vulneráveis das ameaças levantadas pelas alterações climáticas.

etiquetas (tags): , ,
publicado por climáticas às 08:09
link do post | comentar | favorito
|

.ligações externas

.mais sobre mim

.arquivos

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.pesquisar

 
blogs SAPO